sábado, novembro 11, 2006

Mais um acto de vandalismo no Cantinho dos Animais de Évora

Em pouco mais de um ano, este é o segundo acto de vandalismo cometido nas instalações do Cantinho dos Animais de Évora.

À semelhança do que aconteceu em Junho de 2005, na noite de 8 para 9 de Novembro o recinto onde o Cantinho dos Animais de Évora recolhe os seus animais foi invadido, 3 cães foram soltos e conduzidos, mais uma vez, ao gatil da Associação.

O resultado foi o massacre de 11 dos 14 gatos residentes.

As coleiras e correntes dos cães soltos estavam intactas, o que prova que não foi um acidente e que os animais não se soltaram sozinhos.

Não há sinais de arrombamento nem qualquer dano material. Nada foi roubado ou danificado. Tratou-se de vandalismo "puro"!

Curiosamente, e também à semelhança do que aconteceu em Junho de 2005, este acto foi antecedido pelo roubo de cães das instalações do Cantinho dos Animais. Em todas as ocasiões foi registada queixa na GNR, que prossegue as investigações.

Como é do conhecimento público, a Associação Cantinho dos Animais tem como principal objectivo a recolha de animais abandonados e seu encaminhamento para adopção, protegendo-os e zelando pelo seu bem estar enquanto não são adoptados.

O que mais choca a Associação Cantinho dos Animais é o facto de estes actos bárbaros e crueis serem premeditados e terem como única finalidade o sofrimento dos animais.

É triste e lamentável que pessoas sem qualquer diginidade se divirtam de forma tão cruel.

15 comentários:

Patricia disse...

Lamento muito...não consigo dizer mais nada.
Já agora, como ta o Petrus? Até tenho medo de perguntar.
Fiquei a conhece-lo quando comprei uma t-shirt na campanha "Ajude a Esterilizar um Animal sem Família " .
Muita Força....

Anónimo disse...

Talvez uma webcam ligada (escondida,óbvio) enquanto o cantinho dos animais está fechado fosse boa ideia.Ao menos para se poder punir os bárbaros que são capazes de fazer atrocidades como esta.E visto que já não é o 1º ataque,parece-me a mim que quando os culpados não são punidos começam a pensar que têm super-poderes e (maléficos,como é obvio) e a situação torna-se cada vez pior.
Só tenho pena que os inocentes que não têm culpa de nada são as vítimas destas mentes distorcidas.
São os únicos que não se podem defender.
Melhores dias virão.
Um abraço grande a todos.
Mónica

Anónimo disse...

é com muita tristeza que recebo essa noticia...existem pessoas que parece que não têm coração ao fazerem isso aos pobres animais que não basta ja não terem uma familia para os acolherem ainda têm de sofrer com estes actos de gente irracional!
para o os volutarios e para todas a pessoas que ajudam o cantinho que tenham muita força e continuem a desempenhar o vosso excelente trabalho.

sara disse...

Será que uma forte campanha de donativos para se reforçar a segurança do local não será uma ideia a (re)pensar?...

(Deixo a dica em aberto e ofereço desde já a minha ajuda: disponibilidade q.b, motivação e forte empatia na luta pelos Direitos dos Animais).

Um abraço,
Sara Martinho

Anónimo disse...

Concordo e ofereço também a minha ajuda,posso também divulgar por Montemor-o-Novo se for o caso e tentar levar mais pessoas a ajudar.Lembrem-se que aquilo que é pouco para nós pode fazer a diferença.
Podem contar comigo.
Mónica

Anónimo disse...

tambem podem contar com mais um membro para a ideia de ajudar a dar mais segurança ao cantinho axo que seria uma excelente ideia uma campanha para angariar donativos...pensem nisso!

força pessoal

Anónimo disse...

gostava de saber se estao interessados na construção de um website onde possam colocar as fotos dos animais do albergue e todo o tipo de assuntos relativos á vossa instituição...vamos dar mais força ao cantinho os animais bem merecem.

Anónimo disse...

bem como voluntaria no cantinho dos animais, fico desde ja muito contente pelos comentarios aqui citados....nao vi o que sucedeu visto eu realizar voluntariado ao fim de semana, mas partilho com os funcionarios do canil e da direcção toda a minha tristeza e tambem alguma revolta....nos bem lutamos, mas este tipo de actos deita qualquer um abaixo....mas esforçamo-nos por continuar a dar toda a nossa atenção e carinho aos animais que ainda lá estão....é melhor nem lembrar o que se passou...
Alice Ribeiro

Anónimo disse...

Diário de um cão

1ª Semana:
Hoje faz uma semana que nasci! Que alegria ter chegado a este mundo!
1º Mês:
A minha mãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!
2º Mês:
Hoje separaram-me da minha mãe. Ela estava muito inquieta e com os seus olhos disse-me adeus como que esperando que a minha nova “família humana” cuidasse bem de mim, como ela havia feito.
4º Mês:
Cresci muito rápido. Tudo chama à minha atenção. Existem crianças na casa, são como “irmãozinhos”.
5º Mês:
Hoje castigaram-me. A minha dona zangou-se porque fiz xixi dentro de casa... Mas nunca me disseram onde eu deveria fazer. E como durmo na marquise, não aguentei!
6º Mês:
Sou um cão feliz. Tenho o calor de um lar, sinto-me seguro e protegido... Creio que a minha família humana me ama muito... Quando estão a comer convidam-me também. O pátio é só para mim e eu estou sempre a fazer buracos na terra, como os meus antepassados lobos, quando escondiam comida. Nunca me educam! Seguramente porque nada faço de errado!
12º Mês:
Hoje completei um ano. Sou um cão adulto e os meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulhosos devem estar de mim!!!
13º Mês:
Como me senti mal hoje... O meu “irmãozinho” tirou-me a minha bola. Como nunca toco nos seus brinquedos, fui atrás dele e mordi-o, mas como os meus dentes estão muito fortes, magoei-o sem querer. Depois do susto, prenderam-me e quase não me posso mover para tomar um pouco de sol. Dizem que sou ingrato e que me vão deixar em observação (certamente não me vacinaram)... Não entendo o que está a acontecer.
15º Mês:
Tudo mudou... vivo preso no pátio... na corrente... Sinto-me muito só.... a minha família já não me quer... às vezes esquecem-se que tenho fome e sede e quando chove não tenho tecto para me tapar.
16º Mês:
Hoje tiraram-me a corrente. Pensei que me tinham perdoado...Fiquei tão contente que dava saltos de alegria e o meu rabo não parava de abanar. Parece que vou passear com eles. Entrámos no carro e andámos um grande bocado. Quando pararam, abriram a porta e eu desci a correr, feliz, crendo que era um dia de passeio no campo. Não entendo porque fecharam a porta e se foram embora... “Esperem!!!” – Lati. Esqueceram-se de mim! Corri atrás do carro com todas as minhas forças... a angustia aumentou ao perceber que o carro se afastava e eles não paravam. Tinham-me abandonado...
17º Mês:
Procurei em vão encontrar o caminho de volta a casa. Sento-me no caminho, estou perdido e algumas pessoas de bom coração olham-me com tristeza e dão-me de comer... Eu agradeço com um olhar do fundo da minha alma. Porque não me adoptam? Eu seria leal como ninguém. Porém apenas dizem “Pobre cãozinho, deve estar perdido.”.
18º Mês:
No outro dia passei por uma escola e vi muitas crianças e jovens como os meus “irmãozinhos”. Cheguei perto deles e um grupo, aos risos, atirou-me uma chuva de pedras – para ver quem tinha melhor pontaria. Uma dessas pedras atingiu um dos meus olhos, e desde então não vejo.
19º Mês:
Parece mentira, mas quando eu estava mais bonito as pessoas compadeciam-se mais de mim... Agora que estou mais fraco, com aspecto mudado... perdi o meu olho, as pessoas tratam-me aos pontapés quando pretendo deitar-me à sombra.
20º Mês:
Quase não me posso mexer. Hoje ao atravessar a rua por onde passam os carros, um deles atropelou-me. Pelo que sei estava num lugar seguro chamado sarjeta, mas nunca me vou esquecer do olhar de satisfação do motorista ao faze-lo. Oxalá me tivesse morto... Porém só me partiu as pernas. A dor é terrível, as minhas patas traseiras não me respondem e com dificuldade arrastei-me até uma moita de ervas completamente fora da estrada. Não me posso mover, a dor é insuportável, nunca me abandona. Sinto-me muito mal, estou num lugar húmido e parece que o meu pêlo está a cair. Algumas pessoas passam e não me vêem; outras dizem “Não te aproximes”. Já estou quase inconsciente. Porém uma força estranha fez-me abrir os olhos. A doçura da sua voz fez-me reagir. “Pobre cãozinho, como te deixaram”, dizia. Junto a ela estava um senhor de roupa branca que começou a tocar-me e disse “Minha senhora, infelizmente este cão não têm remédio que o salve, o melhor é que deixe de sofrer”.
A gentil senhora consentiu com os olhos cheios de lágrimas. Como pude, mexi o rabo e olhei para ela, agradecendo por me ajudar a descansar... Senti somente a picada da injecção e dormi para sempre, pensando em porque nasci se ninguém me queria...

Anónimo disse...

Que triste noticia :(
Nao consigo perceber como é que pode haver gente tao estupida (desculpem o termo mas foi o que consegui arranjar para descrever essas pessoas).
Coitados dos gatinhos, estao a sofrer e nem sequer fizeram nada a ninguem, porque normalmente o que eles querem é "festinhas".

Beijos!!!

teresa disse...

A esses monstros da sociedade nao lhes desejo mais do k aquilo k eles provocam nos animais: abandono, violencia, fome, sofrimento e uma morte violenta!

Vera disse...

Realmente é uma grande tristeza o que fizeram!!Que todo o mal que fizeram a esses animais lhes caia em cima a dobrar!É a única coisa que posso dizer!
Força para a vossa luta!

Anónimo disse...

Com efeito este é mais um daqueles actos que nos deixa a pensar sobre a racionalidade do ser humano. De certeza que quem comete tais actos é profundamente frustrado tanto a nivel social como familiar. São individuos a precisar de uma grande ajuda. Talvez essa ajuda, a ideal, seja a de contribuirem para o cantinho dos animais que tanto tem feito para com os nossos irmãos animais. Estes actos visam somente uma visao posterior do acto cometido independentemente da crueldade implicita, isto queiramos ou não e fruto da paranoia social contemporanea dos chamados "15 minutos" de sucesso. Convido sinceramente esses seres humanos, momentaneamente irracionais a voltarem a ser racionais e a experimentarem ajudar na pratica o cantinho dos animais isso sim é de homem o contrario é de maricas isso sim. Ao fim e ao cabo isto é culpa igualmente de todos nos pois se todos dessemos o nosso contributo generoso economico esta associação teria instalações condignas e a prova de arrombamento com um sistema de vigilancia que dissuadi-se os tais ditos individuos irracionais. A revolta por este acto não vai trazer os nossos irmãos animais a vida, a nossa consciencialização em ajudar mais e melhor economicamente o cantinho dos animais isso sim, e não digam que não conseguem pois se formos a ver e só deixarmos de beber 1 cafe por dia e doar esse dinheiro ao cantinho dos animais. No final do mês doamos 15 euros e anossa saude agradece. Experimentem e vejam como é fácil.

Paulo Matos disse...

Com efeito este é mais um daqueles actos que nos deixa a pensar sobre a racionalidade do ser humano. De certeza que quem comete tais actos é profundamente frustrado tanto a nivel social como familiar. São individuos a precisar de uma grande ajuda. Talvez essa ajuda, a ideal, seja a de contribuirem para o cantinho dos animais que tanto tem feito para com os nossos irmãos animais. Estes actos visam somente uma visao posterior do acto cometido independentemente da crueldade implicita, isto queiramos ou não e fruto da paranoia social contemporanea dos chamados "15 minutos" de sucesso. Convido sinceramente esses seres humanos, momentaneamente irracionais a voltarem a ser racionais e a experimentarem ajudar na pratica o cantinho dos animais isso sim é de homem o contrario é de maricas isso sim. Ao fim e ao cabo isto é culpa igualmente de todos nos pois se todos dessemos o nosso contributo generoso economico esta associação teria instalações condignas e a prova de arrombamento com um sistema de vigilancia que dissuadi-se os tais ditos individuos irracionais. A revolta por este acto não vai trazer os nossos irmãos animais a vida, a nossa consciencialização em ajudar mais e melhor economicamente o cantinho dos animais isso sim, e não digam que não conseguem pois se formos a ver e só deixarmos de beber 1 cafe por dia e doar esse dinheiro ao cantinho dos animais. No final do mês doamos 15 euros e anossa saude agradece. Experimentem e vejam como é fácil.

Carlos Machado Acabado disse...

Ao contrário do alguns néscios afirmam pensar, não se põe em alternativa o amor pelos animais e o respeito pela condição humana como tal.
Não são, efectivamente, visões ou posicionamentos alternativos perante a realidade, são perspectivas rigorosamente complementares cuja ausência parece "perfeitamente" expressa no tipo de comportamento selvático mas vilmente cobarde aqyui descrito.
Quem faz isto a animais fará outro tanto a pessoas se a ocasião se proporcionar.
Não tenhamos ilusões!
Ecologia não são meia dúzia de papelinhos apanhados (ou MANDADOS apanhar!) ocasional e muito 'simbolicamente' do chão.
Ecologia é uma atitude global de humanismo e resposabilidade perante a Vida nas asuas múltiplas formas!